Últimas Notícias

No Dia Mundial da Água, ONU lembra que cerca de 2,2 bilhões não têm água potável

Relatório Mundial de Desenvolvimento da Água das Nações Unidas foi lançado este domingo; até 2050, entre 3,5 bilhões e 4,4 bilhões de pessoas viverão com acesso limitado a esse recurso; uso aumentou seis vezes no século passado e está crescendo cerca de 1% ao ano. No Brasil, 36 milhões de pessoas não têm acesso a saneamento.

O secretário-geral da Organização Mundial da Saúde – ONU, António Guterres, disse que “os recursos hídricos do mundo estão sob ameaça sem precedentes.” 

Em mensagem sobre o Dia Mundial da Água, marcado neste 22 de março, o chefe da ONU lembrou que cerca de 2,2 bilhões de pessoas carecem de água potável e 4,2 bilhões vivem sem acesso a saneamento adequado.

No Brasil, 36 milhões de pessoas não têm acesso a saneamento.

Ação

Segundo António Guterres, se o mundo não atuar com urgência, os impactos das mudanças climáticas farão crescer esses números. Até 2050, entre 3,5 bilhões e 4,4 bilhões de pessoas viverão com acesso limitado à água, com mais de 1 bilhão morando nas cidades.

Este ano, o Dia Mundial da Água destaca o impacto da mudança climática. A água é o principal meio para se perceber os efeitos dessas mudanças, seja através de secas e inundações, derretimento de glaciares e aumento do nível do mar.

O aquecimento global deve criar uma concorrência sem precedentes pelos recursos hídricos, levando ao deslocamento de milhões de pessoas, aumentando a instabilidade e o conflito. 

Países como Peru, e tantos outros, que dependem das geleiras, podem sentir os efeitos na agricultura e no fornecimento de água.

Para o secretário-geral, a solução é clara. É preciso aumentar, urgentemente, os investimentos em bacias hidrográficas saudáveis e melhorar, de forma drástica, a eficiência do uso da água. Para ele, “todos têm um papel a desempenhar.”
Relatório 

Este domingo, também foi lançado o Relatório Mundial de Desenvolvimento da Água das Nações Unidas, publicado pela Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco. 

Saúde

Segundo a pesquisa, o uso da água aumentou seis vezes no século passado e está subindo cerca de 1% ao ano. A mudança climática deve agravar a situação em países que já enfrentam problemas de falta de água e causar problemas semelhantes em áreas que ainda não foram afetadas.

Em nota, a diretora-geral da Unesco, Audrey Azoulay, diz “que a água não precisa ser um problema, pode ser parte da solução.”

Nos próximos anos, devem aumentar os riscos de poluição da água e contaminação por patógenos. Os impactos também serão sentidos na produção de alimentos e saúde física e mental das populações.

Muitos ecossistemas, principalmente florestas e pântanos, também estão ameaçados, reduzindo a biodiversidade. O abastecimento de água deve afetar a agricultura, que é responsável pelo uso de 69% de toda a água doce, mas também na indústria, produção de energia e até pesca.

Regiões

Grande parte do impacto será sentido nos trópicos, onde estão localizados a maioria dos países em desenvolvimento. As áreas montanhosas também são excepcionalmente vulneráveis.

Segundo os autores do relatório, a necessidade de melhorar a gestão das águas é reconhecida, mas não está sendo traduzida em realidade.

A chefe da Unesco afirma que “a palavra água raramente aparece nos acordos internacionais sobre o clima.” Segundo

Audrey Azoulay, as contribuições dos Estados-membros sobre o Acordo de Paris permanecem vagas, sem planos específicos para a água. 
 

Fonte: ONU 

Participe! Seja o primeiro a comentar

Dicas, comentários e sugestões

Seu e-mail não será publicado.




Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: