Page 100 - Livro Sabesp
P. 100

  .- ' '7-  '   . ~ ~ v --.  i-"~.,'~"~'“-^›-:=_~,~» :!r::=.-.,*'3*~:':
mw'  ^_ '  ' v ' ' “ ~E'."Ê'_='E"T_Í,”Ê*Ã
i ' ' ' i v  ?VC
 sa bes p
3:4' LEGÀDOS DÁ CRÍSÉ HÍDRÍCA
. :t1

5435.55'
':*r'f"~ '
*s
Lts-LB
l¡
3.9.'

_ 3:
WE , a
 ab oíüf
"'79.- .
:Êj- ' f ASABESPopera 327cidadestora da regiao metropoiitana.
g 7.'  Municipios espainados por todo o Estado de São Pauio,
M' 'n' -7 , interior e |itora|. Dessas centenas de cidades, 59 sotreram
- ;a ,       bastante com a estiagem, em especiai no ano de 2014,
'É _  ' :- W o primeiro tempo da crise. Franca, Botucatu, Varzea
  !É _o Pauiista, Cabreúva, muitas regiões importantes para a
TÁ# ?n  ' ” indústria nacionai passaram a entrar em emergência com
. L o avançar dos meses.
\ _QA
V  /_ e . _í -_- _ Seguindo as diretrizes que se estabeieciam na capitai e
3  - »-›__/ ,_ ' \ h y g" - nas cidades do seu entorno, no interior e no |itora| não to¡
f'  - ¡ ü. diferente. A SABESP adotou diversas estratégias, essas,
. _   â sob o viés da rapidez e agiiidade.
~_ .aí
b ~ 
and \-
 Diterentemente da regiao metropoiitana, o interior, por
_ exempio, não tem nenhum sistema de acumuiacao. A
' captacao é no chamado "tio d/agua", ou seia, por onde
_ passaresse bem precioso, ou onde tiversua concentração,
à 'É ' e a|i que se busca, trata e taz a agua cnegar nas
r K residências das pessoas. Em QOiÁ, foram mapeados
_ mananciais mais distantes que nao eram e><p|orados, que
poderiam aiudar essas cidades em crise. Como não se
tinha tempo a perder, mais uma vez a ousadia tecnica da
SABESP entrou em acao.
› V.






















































   98   99   100   101   102