Page 134 - Livro Sabesp
P. 134

'ÉÍ'
sabesp
LEGADOS DA CRISE HÍDRlCA

Criou-se uma expertise grande em tubu|ação de PEAD,

Í ou seia, em so|da, manuseio, transporte, desti|ados
__ por cima da agua de pântano, em morro, que poucos
têm no Brasi|. Outro ponto, a magnitude de todos

os sistemas. Não se tinha noção de que o Sistema

Cantareira, por exempio, seria tão eiãstico e que se

conseguiria "tirar tanto". Acreditava-se que o maximo

era reduzir de 33 m3 por segundo para 27m3, no

_à_ sutoco. No auge da crise, chegou-se a 13,5 m3 p/s.

_M A  "aííit '   Ou seia, a|go simp|esmente surreal.
L A , _›_ _h E  wi .

Ficou, de tato, um aprendizado forte de que eventos

extremos acontecem, não são mais distantes. Essa crise é

uma comprovação concreta do que acontece no mundo

e, por isso, houve uma maior percepção por parte dos

técnicos da SABESP. E|es interna|izaram, introietaram em

seus pensamentos para o dia a dia de que diticuidades

podem durar pouco tempo, ou muito tempo. De que pode

r r r haver uma crise pior que a de 20i4/20i 5,
«a -.  g, “ '-  '
 ,- . -  « na, _1 “”
r V 7 v a › NcrmaiidodedentrodeumSistemaintegradoainda moisetetivo
133

























































   132   133   134   135   136