Page 40 - Livro Sabesp
P. 40

ta??
É?
Sabesp
  LEGADOS DA CRISE HÍDRICA

No periodo da crise, quando comecou de aIguma torma

a ticar Ciara, a SABESP passou a sotrer interterência

torte da midia, do Ministerio Pubiico, da sociedade.

Por conta da avaiancne que passou a descer sobre a

empresa, posturas toram tomadas para, de aiguma torma,

unitormizar internamente e avaiiar mais protundamente os

/ É ¡ _ dados, para no momento certa serem disponibiiizados.

A _. A Companhia entendeu que a situaçao probiematica
J ' E tinha de estar na mesa de todas as autoridades

; 'a constituídas do ambito tederai, estaduai e municipai e

- dentro da regiao metropoiitana de Sao Pauio. Superior
Tribunai Pederai de Sao Pauio, Ministerio Púbiico,

*\\__\___r._ Camara de Vereadores, Assembieia Legistativa,
E Tribunai de Contas do Estado. Era preciso aiertar as
autoridades de que se vivia um probiema muito grave e

  i de que a SABESP estava iidando com a crise de torma

7x 77\à tecnica e torte.

A SABESP montou uma estrategia de ter no maximo

_ cinco portarvozes. Quando a intormacõo era da parte

\x.  tecnica, um só taiava. Quando era sobre reiacionamento

. r com Ciiente, consumidores, outro taiava. Em se tratando

dos pedidos da promotoria do Ministerio Pubiica,

seiam quais tassem os assuntos, sempre tinna aiguem

capaz de pertazer para a sociedade tudo o que estava

acontecendo, de maneira muito pratissionai. O que navia

era muita troca de intormaçao. Aiem disso, os tecnicos,

 apesar da criticidade, sempre demonstraram para toda a

a ,  , l, equipe que estavam cientes de que era possive| sotucionar

u¡ ›, < A"? /r/,j/;L os probiemas ara existentes.
L'\ z Íágülxãj.
o 0 V ' 2 .
L h






































   38   39   40   41   42