Seminário de Perdas em Curitiba: entrevista com Sandro Adriani Camargo

Por Sueli Melo

O biólogo e coordenador geral da Câmara Temática de Indicadores de Desempenho para o Saneamento Ambiental da ABES (CTIDSA), Sandro Adriani Camargo, será um dos palestrantes do IV Seminário de Gestão e Controle de Perdas de Água, realização da ABES – Diretoria Nacional, em parceria com a ABES Seção Paraná que começa nesta segunda-feira, 31 de julho.

O encontro, que acontecerá até 2 de agosto em Curitiba/PR, terá como tema central “Água e energia no saneamento: práticas para a redução de desperdício” (conheça a programação aqui).

Sandro palestrará no painel sobre “Base de Dados e o Uso de Indicadores” discorrendo acerca do temaA Credibilidade dos Indicadores na Gestão de Perdas”. Leia a seguir a entrevista com o palestrante:

ABES Notícias – Qual a importância do evento e como a discussão sobre o tema pode contribuir para a redução de desperdício de água no Brasil?

Sandro Camargo – Este é um tema relevante no país, que deve estar na pauta do setor de saneamento pelo impacto negativo que provoca nos aspectos de sustentabilidade. Infelizmente, a realidade do Brasil em relação aos volumes de água perdidos pelas empresas responsáveis pelo abastecimento de água é muito ruim. Como há muito por fazer para que possamos ter números aceitáveis de perdas de água, um evento como este, organizado pela ABES, uma instituição com credibilidade para discutir o assunto, pode produzir discussões e apresentar diversas oportunidades para os técnicos que lidam com o tema.

ABES Notícias – Qual é a sua visão sobre a situação do Brasil em relação a perdas de água?
Sandro Camargo – Um país, que talvez pela abundância hídrica, embora não distribuída conforme as concentrações populacionais, passou muito tempo sem dar a importância merecida ao tema. A situação é crítica, muito por conta da forma como a maioria das empresas de saneamento  instalou e mantém as infraestruturas de abastecimento de água das cidades. Muitos materiais e equipamentos instalados com base no menor preço, com a qualidade relegada a um segundo plano, pouca inovação tecnológica entre outros fatores levam a baixa eficiência operacional e comercial e por conseqüência, a resultados ruins como o que temos acompanhado.

ABES Notícias – E qual é o papel dos indicadores no cenário da gestão de perdas no país?
Sandro Camargo – Para a gestão de qualquer negócio é necessário dispor de informações confiáveis para aumentar o grau de assertividade das decisões tomadas. No caso da gestão para a redução de perdas de água não é diferente. Por isso é fundamental que as empresas responsáveis por operar os sistemas de água, bem como as demais organizações interessadas no setor, como, agências reguladoras, municípios e agentes financeiros, disponham de um bom conjunto de indicadores para poder monitorar os resultados e avaliar a efetividade de eventuais ações tomadas para a redução das perdas de água.

ABES Noticias – Na sua opinião, qual é a principal herança da crise de escassez hídrica, afetou algumas partes do Brasil entre 2014 e 2015 e marcou o setor de saneamento no país?
Sandro Camargo – A principal delas foi colocar a água no centro da discussão no país durante aquele período. Este bem finito, necessário para a nossa sobrevivência, não era tratado com a importância merecida até então. Sabemos que crises geram oportunidades e neste caso não é diferente. De um lado, as empresas mais afetadas, como foi o caso da SABESP, investiram em soluções que hoje lhe conferem melhores resultados em relação a gestão hídrica e gestão de perdas, de outro lado a sociedade passou a valorizar o produto água, mudando hábitos de consumo com a redução de desperdícios.

ABES Notícias –  Quais são as dificuldades e avanços, neste contexto?
Sandro Camargo – Acredito que as dificuldades ainda estão muito relacionadas a cultura de curto prazo das organizações, de aquisições e contratações baseados no menor preço, da falta de recursos financeiros e da baixa inovação no setor de saneamento. Por outro lado, várias iniciativas para enfrentar as dificuldades citadas passaram a ser tomadas pelas organizações para o enfrentamento da crise.

ABES Notícias – Poderia comentar, brevemente, o tema da sua palestra “A Credibilidade dos Indicadores na Gestão de Perdas”?
Sandro Camargo – Pretendo abordar um pouco do trabalho que a Câmara Temática de Indicadores de Desempenho para o Saneamento Ambiental (CTIDSA) vem fazendo para disponibilizar um conjunto de indicadores para a gestão das empresas de saneamento e a importância da utilização de indicadores confiáveis para a tomada de decisão na gestão de perdas. Um trabalho que depende muito das pessoas, tecnologias e métodos dentro das organizações para gerar informações confiáveis.

Participe! Seja o primeiro a comentar

Dicas, comentários e sugestões

Seu e-mail não será publicado.




%d blogueiros gostam disto: