História da ABES

A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental – ABES é uma associação com fins não econômicos que reúne no seu corpo associativo cerca de 10.000 profissionais do setor. A ABES tem como missão ser propulsora de atividades técnico-científicas, político-institucionais e de gestão que contribuam para o desenvolvimento do saneamento ambiental, visando à melhoria da saúde, do meio ambiente e da qualidade de vida das pessoas.

Fundada em 1966, a mais atuante entidade brasileira do setor de saneamento ambiental nasceu como ideia no início da década de 1960, quando um grupo de engenheiros sanitaristas do Estado do Rio de Janeiro, aliados principalmente a colegas de São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Bahia, iniciou a mobilização a partir de um congresso da Aidis realizado em Bogotá, na Colômbia.

Primeiramente, buscou-se a fusão da antiga seção brasileira da Aidis com a Associação Brasileira de Engenharia de Saneamento (Abesan), formada por antigos profissionais do hoje extinto Departamento Nacional de Obras de Saneamento (DNOS, posteriormente Dnocs).

Foram pioneiros nesse primeiro passo os engenheiros Enaldo Cravo Peixoto (que veio a ser o primeiro presidente da ABES), Adilson Seroa da Mota e Carlos Philiphovisek, pela Aidis; Jaime Rotstein, Sidney Campos Rekety e Carlos Krebis Filho, além de alguns engenheiros da antiga Fundação Sesp, do Ministério da Saúde, pela Abesan

Este grupo, que participou dos dois primeiros congressos da Aidis – um no Rio de Janeiro e outro no Rio Grande do Sul -, fundou finalmente a ABES durante a realização do terceiro congresso da entidade interamericana, realizado em Brasília, em 1965.

Sem sede própria, a ABES foi instalada em uma sala da Comissão de Planejamento de Esgoto Sanitário da Superintendência de Saneamento (Sursan), do antigo Estado da Guanabara. Dali mudou-se, na década de 70, para o prédio do Banco Nacional da Habitação (BNH), que concentrava as verbas do setor de saneamento no país, na Avenida Presidente Wilson. Foi a época de maior expansão da entidade, graças à criação do Plano Nacional de Saneamento – Planasa e a delegação recebida por convênio para treinar os quadros do saneamento no país, tarefa em que a entidade está envolvida até hoje.

Nessa sede a ABES permaneceu até 1984, quando o BNH foi extinto. O presidente Walter Pinto Costa promoveu então intensa mobilização para adquirir a sede própria, o que afinal se obteve com enorme esforço. A ABES está desde então instalada nessa sede, na Avenida Beira-Mar, 216, 13 andar, no Rio de Janeiro, seções em todos os estados do país.