Últimas Notícias

ONU recomenda que países da América Latina e do Caribe se preparem para possíveis surtos de dengue

Tem sido observado no início deste ano um aumento nos casos em relação ao mesmo período de 2018; no ano passado, o vírus causou a morte de 336 pessoas na região.

A Organização Pan-Americana da Saúde, Opas, recomendou aos países das Américas e do Caribe que se preparem para uma resposta rápida a possíveis surtos de dengue. A doença é endêmica na região e, desde que foi introduzida na década de 1980, tem causado surtos e epidemias de forma cíclica de cada três a cinco anos.

Epidemias

A primeira epidemia de dengue, com mais de um milhão de casos, ocorreu em 2010. Três anos depois, houve uma nova epidemia, desta vez, com mais de 2 milhões de casos. No início deste ano, tem sido observado um aumento na incidência da doença em relação ao mesmo período de 2018.

Em nota, o diretor do Departamento de Doenças Transmissíveis e Determinantes Ambientais da Saúde da OPAS, Marcos Espinal, disse que “a dengue é a infecção viral transmitida por mosquitos de maior propagação nas Américas e sua complexidade vem aumentando ao longo dos anos.”

Segundo o especialista, essa alta é causada por vários fatores, como crescimento urbano não planejado, problemas de água e saneamento, mudanças climáticas e, em alguns países, a circulação simultânea dos quatro tipos de dengue, o que aumenta o risco de casos graves e surtos.

De acordo com a última atualização, de 22 de fevereiro, foram notificados 560.586 casos de dengue na região das Américas no ano passado. Desses casos, 3.535 foram considerados graves e 336 resultaram em mortes. Nas primeiras seis semanas deste ano, foram notificados quase 100 mil casos, sendo 632 de dengue grave e 28 óbitos.

Recomendações

As principais recomendações da Opas para os países focam na intensificação à vigilância da doença e nas medidas de controle para reduzir as populações de mosquitos que transmitem o vírus.

Atualmente, a única maneira de controlar ou prevenir a transmissão é o combate ao mosquito, conhecido como Aedes aegypti.

A Opas também recomenda educação contínua da população e envolvimento da comunidade, além de assegurar que os profissionais de saúde tenham formação de como diagnosticar e tratar os pacientes.

Outros vírus

Segundo Marcos Espinal, o diagnóstico da doença ficou mais complexo com a chegada de dois novos vírus, o chikungunya, em 2013, e o zika, em 2015, porque apresentam sintomas parecidos.

Apesar disso, a dengue continua sendo a que apresenta o maior número de casos e também é a mais letal.

Segundo a Opas, o seu tratamento é relativamente simples, custa pouco e é muito eficaz. O assessor regional de dengue da Opas, José Luis San Martin, disse que “a chave é reconhecer precocemente os sinais de alerta para fornecer os cuidados necessários e evitar que progrida para formas mais graves.”

Se um profissional de saúde tiver dúvida sobre o diagnóstico, a Opas recomenda o tratamento imediato de dengue, sem esperar por um resultado de teste.

A agência também recomenda que o paciente seja examinado todos os dias ou, pelo menos, a cada 48 horas, para detectar sinais sérios de alerta, particularmente durante a fase crítica da doença.

Fonte: ONU News

Participe! Seja o primeiro a comentar

Dicas, comentários e sugestões

Seu e-mail não será publicado.




Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: