Últimas Notícias

Consumo Consciente: mudanças de hábitos reduzem os impactos no meio ambiente e promovem o bem-estar da população

No último sábado, 15, foi celebrado o Dia do Consumo Consciente. A data chama a atenção da sociedade para a reflexão sobre a importância e a necessidade de consumir bens e serviços de forma sustentável, respeitando o planeta. Para isso, é preciso que os consumidores estejam informados sobre os impactos que suas escolhas podem causar ao meio ambiente, além da forma adequada de descartar os seus resíduos.

A coordenadora da Câmara Temática de Resíduos Sólidos da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental – ABES, Heliana Kátia Tavares Campos, e a coordenadora das Câmaras Técnicas de Saúde Pública e de Resíduos Sólidos da ABES Seção São Paulo (ABES-SP) abordam o tema.

Leia a seguir:

O papel da sociedade e do cidadão, por Heliana Kátia Tavares Campos

Para cuidar das nossas cidades de forma sustentável, economizar recursos naturais, financeiros e resistir ao consumo desenfreado, devemos prestar atenção aos nossos atos corriqueiros. Para isso não podemos ter preguiça.

Perceberemos que parte do que consumimos pode não ser tão necessário. E mais se lançarmos um olhar para toda a sociedade veremos que para muitos o nível de consumo ainda é inferior às suas necessidades básicas.

Há portanto, uma desigualdade social desmesurada e o que excede para alguns falta para outros. Essa realidade nos faz refletir sobre o papel cidadão, sobre o papel social e sobre nossa contribuição para o ambiente. Sobre o que faremos para contribuir para uma sociedade mais saudável e sustentável, uma sociedade mais justa e republicana.

Portanto, o ato de colaborarmos, por exemplo, com a manutenção da limpeza dos espaços públicos, se trata de consumirmos conscientemente os serviços públicos. Atitudes colaborativas e responsáveis fazem parte do rol de comportamentos do consumo sustentável. Não se trata, portanto, apenas de reduzir o consumo, mas de ser solidário: compartir, colaborar, lançar um olhar para toda a sociedade.

Chega a dar inveja o comportamento dos japoneses evitando sujar o chão, limpando as arquibancadas dos nossos estádios de futebol, após cada jogo, demonstrando cidadania, cooperação, respeito mútuo, e para com os trabalhadores da limpeza.

Não se trata, portanto, apenas de não jogar o lixo no chão, mas de agachar e pegar o lixo jogado por outros e dispô-lo no local adequado. Não se trata apenas de consumir o necessário, mas de dividir com quem não tem. Se trata de ser cidadão, de se praticar valores humanos.

Ao consumir água mineral em uma garrafinha, por exemplo, podemos conservá-la em nossa propriedade para abastecer no próximo bebedouro e reutilizá-la inúmeras vezes. Se priorizarmos as embalagens retornáveis e adquirirmos os produtos em refil, estamos estimulando a indústria a desenvolver este processo de forma mais intensificada.  São relativamente poucas as opções no mercado brasileiro. Percebe-se que a caminhada é longa…

A embalagem de vidro, por exemplo, que é reciclável e pode ser reutilizada por cerca de 20 vezes, antes de se tornar resíduo, está indo diretamente para o lixo na maioria das cidades brasileiras por inviabilidade do custo do transporte até as fábricas instaladas no país. É o caso do DF que incluiu as embalagens de vidro nos rejeitos e são aterradas ao invés de serem recicladas. Portanto, o consumo consciente depende de cada um de nós, da indústria, da legislação e da fiscalização para que cada segmento faça a sua parte.

O incentivo ao uso de bens reutilizáveis, o não desperdício, o olhar sobre as necessidades dos outros, contribuiu na formação de cidadãos que vão além do consumo sustentável, que querem uma nova sociedade mais racional e igualitária.

No entanto, para se chegar a esse estágio, o esforço deve ter início na infância. O papel da criança em casa ou na sala de aula cuidando desde muito cedo dos seus brinquedos, do material escolar, participando da organização e limpeza das mesas e dos espaços comuns, compartilhando materiais e brincadeiras pode ser uma boa pedida.

Consumo consciente tem que ter um consumidor consciente, por Roseane M. Garcia Lopes de Souza

No mundo, estamos consumindo em grande escala e de forma irracional e desequilibrada água, energia e alimentos. Como isso geramos resíduos, fome e escassez hídrica. Devemos ter consciência desses impactos negativos no meio ambiente e parar e repensar nossos hábitos, fazendo as mudanças, de forma voluntária e individual, necessárias para diminuir o impacto no futuro, de forma a garantir a sustentabilidade no planeta.

De modo prático, escolha sempre o que comprar, verifique se é possível ver quanto foi consumido de matéria prima para a produção. Veja se o produto faz bem à saúde, como ele será descartado. Só assim você será um consumidor consciente.

 

Participe! Seja o primeiro a comentar

Dicas, comentários e sugestões

Seu e-mail não será publicado.




Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: