Últimas Notícias

ABES integra celebração do Dia Interamericano da Água

Haroldo Mattos de Lemos e Joper Padrão, em evento da Associação comercial do Ri de janeiro

O diretor nacional da ABES, Joper Padrão do Espírito Santo, integrou na sexta-feira, 14, a celebração do Dia Interamericano da Água, na reunião do Conselho Empresarial do Meio Ambiente e Sustentabilidade da Associação Comercial do Rio de Janeiro. O evento contou com palestras de Joper e de Haroldo Mattos de Lemos, presidente do Conselho.

O Dia Interamericano da Água é uma iniciativa da AIDIS – Associação Interamericana de Engenharia Sanitária e Ambiental, da qual a ABES é o capítulo brasileiro. Comemorado sempre no 1º sábado do mês de outubro, foi criado oficialmente em 1992, durante o XXIII Congresso  Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental, que teve lugar na cidade de Havana, Cuba. O fundamento desta proposta se centrou na ideia de que a participação das comunidades é um elemento-chave para o êxito dos programas de saneamento ambiental, por isso, a mobilização de diversos grupos e a possibilidade de que tenham acesso à informação sobre o tema se constituem em um motor importante para a promoção de ações concretas neste campo.

No evento da Associação Comercial, Haroldo de Mattos discorreu sobre “A Crise da Água no Mundo”. Renomado professor e conceituado internacionalmente, Haroldo evidenciou informações de caráter global e nacional sobre o tema. Em seu discurso, enfatizou a importância de se rever diversas práticas, tanto na agricultura, quanto no tratamento da água para consumo humano reiterando seu ponto de vista abalizado e contrário à fluoretação da água que, no Brasil, é obrigatória por Lei mas, como comprovado, se torna ineficaz diante dos argumentos que sustentam essa prática.

Em sua apresentação, Joper Padrão abordou dois aspectos, iniciando por rememorar a origem do Dia Interamericano da Água, fruto da proposta apresentada no XXIII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental, promovido pela AIDIS em Havana, em 1992. “Sendo a ABES o capítulo brasileiro da AIDIS, lá estavam representantes da organização brasileira. É dever dos atuais associados manter acesa a chama por aqueles visionários que propuseram a mobilização de diversos grupos e a possibilidade de que tenham acesso à informação sobre o tema como um motor importante para a promoção de ações concretas no campo da valorização da água como elemento essencial à vida e ao desenvolvimento social”, ressalta o diretor da ABES.

Na segunda parte, o palestrante abordou os “Desafios para o Rio”, destacando 8 pontos:

1- O Rio sem rio – abordando a Luta pela Água dos cariocas desde a fundação da Cidade à beira mar plantada;

2 – A responsabilidade recorde – destacando a importância da Estação de Tratamento é Águas do Guandu, reconhecida pelo Guinness World Records como a maior do Mundo;

3 – Riscos múltiplos – realçando o Rio Paraíba do Sul com manancial e o traçado da Rodovia Rio-São Paulo (BR 116) às suas margens, com constante riscos de acidentes contaminantes;

4 – O mais é demais – tratando sobre o desperdício, tanto pelas perdas físicas do sistema que abastece o Grande Rio, como hábitos de consumo que levam (como a vassoura hidráulica) e a “água social” distribuída às comunidades sem medição de consumo;

5 – Personagem à procura do autor – relembrando o extinto BNH – Banco Nacional da Habitação como órgão de financiamento e fomento das Empresas Estaduais de Saneamento e as consequências de sua extinção;

6 – Escassos e mal tratados – relatando a poluição do manancial, o Rio Paraíba do Sul, os custos elevados de seu tratamento, e a falta de opções alternativas;

7 – Palavras são palavras – abordando as promessas históricas de despoluição de corpos hídricos, como a complexo lagunar de Marapendi, e da Baía de Guanabara, e a falta de investimentos que reduzam os vergonhosos índices de tratamento de esgotos urbanos;

8 – Como será o amanhã – analisando a anunciada “calamidade pública financeira” alertando para que essa situação passageira jamais sirva de argumento para arranjos que sejam perniciosos ao interesse público.

A reunião teve a participação de inúmeros conselheiros, empresários, profissionais e representantes de entidades de destaque na cena social do Rio de Janeiro. “A AC Rio e a ABES, assim, cumpriram com o papel proposta em Havana, ao realizar e apoiar esta atividade educativa propiciando a troca positiva na cultura da água para a sua preservação, uso racional, acesso universal e sustentabilidade”, frisa Joper Padrão.

 

Participe! Seja o primeiro a comentar

Dicas, comentários e sugestões

Seu e-mail não será publicado.




Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: