Últimas Notícias

Simpósio de Dessalinização e Reúso: entrevista com o palestrante Ronaldo Stefanutti

A ABES, por meio de sua Câmara Temática de Dessalinização e Reúso, coordenada por Renato Giani Ramos, promoverá em 23 de março, em Fortaleza, o primeiro Simpósio Nacional sobre Dessalinização e Reúso: Viabilizando Alternativas à Escassez Hídrica (Inscreva-se aqui). O encontro é uma das atividades preparatórias rumo ao Congresso ABES Fenasan 2017, o maior Encontro de Saneamento Ambiental das Américas, que ocorrerá de 2 a 6 de outubro, em São Paulo.

Na entrevista a seguir Ronaldo Stefanutti, professor da Universidade Federal do Ceará – UFCE e um dos palestrantes do evento fala sobre o tema.

ABES NotíciasQual a importância, neste momento do Brasil e em especial do Nordeste, de discutir dessalinização e reúso como alternativas?

Ronaldo Stefanutti – É de extrema importância neste momento, discutir as duas alternativas dessalinização e reúso, em função do grande déficit hídrico ocorrido em diversas regiões do país como em São Paulo, Espírito Santo, Rio de Janeiro e em grande parte da região Nordeste do Brasil. Nesta última, destaca-se que as chuvas são insuficientes para suprir a demanda há mais de cinco anos.

Diante deste cenário, pode-se dizer que o reúso é uma prática sustentável e necessária em locais com boa disponibilidade hídrica tanto para fins industriais, urbanos e agrícola. E para regiões com escassez hídrica, como a região Nordeste, pode-se dizer que é imprescindível. Entre os inúmeros benefícios do reúso de água destaca-se o aumento da disponibilidade hídrica e a preservação de recursos naturais.

Já a dessalinização é outra alternativa a ser considerada para regiões com escassez hídrica e disponibilidade de água do mar, como é o caso da região Nordeste, tendo como consequência direta o aumento e a  viabilidade da oferta hídrica.

ABES NotíciasTécnica e economicamente, já são alternativas viáveis para o país?

Ronaldo Stefanutti – O reúso tecnicamente é viável no país, principalmente o reúso industrial e urbano. O reúso industrial já está regulamento e tem sido utilizado em muitas regiões do Brasil. O reúso agrícola falta regulamentação para a prática ser adotada efetivamente. O custo da água de reúso é menor que a da água tratada nos padrões de potabilidade, considerando que, para o lançamento de qualquer efluente no ambiente o mesmo deverá atender aos padrões preconizados pela CONAMA e demais legislações. Quanto a dessalinização, esta ainda tem custo mais elevado, porém pode evitar o colapso hídrico em uma região. Tecnicamente a dessalinização já é empregada com sucesso em várias partes mundo, em regiões com escassez hídrica como o caso de Israel (Tel Aviv), Califórnia (San Diego), Singapura, Espanha (Barcelona), Chile (Antofagasta) e Arábia Saudita (Ras al-Khair). As pesquisas estão voltadas principalmente para o desenvolvimento de sistemas em que se permita a redução do custo de aproveitamento da água do mar. Em pequena escala para água salobra.

ABES Notícias O poder público tem dado a devida atenção a estas técnicas?

Ronaldo Stefanutti – Falta a sociedade se organizar, debater e provocar o setor público em relação aos temas em questão.

ABES Notícias –  Você pode mencionar alguns exemplos bem sucedidos no Ceará ou em outras partes do Brasil?

Ronaldo Stefanutti – Em termos de reúso, pode-se mencionar o caso do projeto Aquapolo que fornece água para o Polo Petroquímico de Capuava (região do ABCD Paulista); o caso da estação produtora de água de reúso EPAR II Capivari, da SANASA/Campinas- São Paulo, assim como outros exemplos na área industrial e urbana.

 

 

 

 

Participe! Seja o primeiro a comentar

Dicas, comentários e sugestões

Seu e-mail não será publicado.




Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: