Últimas Notícias

34º Encontro Técnico de Alto Nível da AIDIS discute economia circular no setor da água

Realizado em parceria com a ABES, ABES-SP, AESabesp e Cebeds, evento aconteceu online nesta segunda (6) em celebração ao Dia Mundial do Meio Ambiente e contou com as presença do presidente nacional da Associação, Alceu Guérios Bittencourt. Disponível no canal da ABES-SP no YouTube.

Em celebração ao Dia Mundial do Meio Ambiente, a Associação Interamericana de Engenharia Sanitária e Ambiental (AIDIS) realizou, nesta segunda-feira, 6 de junho, o 34º Encontro Técnico de Alto Nível (ETAN). Com o tema  “Economia Circular – Setor da Água”, esta edição do evento foi realizada em parceria com a Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (nacional e ABES-SP), o Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável – CEBDS e a Associação dos Engenheiros da Sabesp – AESabesp.

O presidente nacional da ABES, Alceu Guérios Bittencourt, e o presidente da ABES-SP, Luiz Roberto Pladevall, integraram a sessão de abertura, que foi moderada por Mirna Argueta, vice-presidente técnica da AIDIS em Honduras), e contou também com a participação de Esteban Leigue (presidente da AIDIS, Bolívia); Patrícia Iglecias, presidente da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo – Cetesb, e Ester Feche, diretora Socioambiental e Cultural da AESabesp.

Em sua fala, Alceu Guérios Bittencourt afirmou que o tema para o 34º ETAN é muito oportuno. “Essa é uma discussão que está crescendo no meio técnico aqui no Brasil e na América Latina. Na recente Brazil Water Week [realizada de 23 a 27 de maio), nós tivemos um tema inteiramente dedicado à economia circular e a discutir o ciclo da água e dos resíduos e o aproveitamento integral de todos os subprodutos das diversas fases do ciclo da água e o uso racional da água. É uma solução que se impõe econômica e ambientalmente”.

Pladevall complementou, dizendo que a disputa pela água é uma realidade mundial e também na América Latina; então “é preciso realmente enfatizar a importância dela no meio ambiente. Sem a água, nós não temos vida e precisamos melhorar a gestão da utilização da água”. Ele também comentou sobre os especialistas convidados para o encontro, que podem contribuir muito no desafio da redução de perdas nos sistemas de abastecimento. “É muito complicado fazer todo o processo de entrega de água e então perder água no sistema de abastecimento. Esse é um olhar que todos aqui precisamos ter para a melhoria na eficiência operacional”, concluiu.
 
Esteban Leigue agradeceu aos presentes e afirmou esperar que o encontro, que marca o Dia Mundial do Meio Ambiente (5 de junho), “seja de grande benefício para a sociedade, técnicos, cientistas e para as empresas que prestam serviços de água”.

“A água é um recurso natural finito essencial para a vida do planeta e é por isso que precisamos cuidar e, principalmente, estarmos alinhados com o sexto Objetivo do Desenvolvimento Sustentável -assegurando saneamento para todos e a disponibilidade e gestão sustentável da água -, que é precisamente dedicar-se a preservá-la”, enfatizou.

 

“Obviamente, a economia circular de uma forma geral, surge justamente para substituir aquele conceito tradicional de uma economia linear, onde nós teríamos a extração, a produção, a utilização e o descarte. A questão que se coloca no momento atual é como nós levamos esse tema para a questão própria da água, na utilização da água e no caso da indústria da água”, explicou a presidente da Cetesb, Patricia Iglecias, comentando os desafios e as ações da companhia quanto ao reuso da água no Estado de São Paulo.
 
A primeira parte do evento, mediada pelo engenheiro Jairo Tardelli Filho, teve a participação do analista ambientalista da mineradora Vale, o engenheiro David Soares, que falou sobre a Circularidade da Água na Vale. O consultor do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil, Devanir Garcia, falou sobre o projeto “Café Produtor de Água”, projeto nacional de revitalização de mananciais. Em seguida, Mirna Argueta falou sobre o progresso dos países em planos de segurança da água resiliente ao clima, descrevendo dois instrumentos que têm sido utilizados pela OMS em vários países para desenvolver os seus regulamentos de qualidade da água, descargas e algumas políticas públicas. Representando a Organização Pan-Americana da Saúde, (OPAS/OMS), Priscila Campos Bueno, palestrou sobre segurança da água e as doenças que podem ser prevenidas por meio do saneamento básico. A apresentação de Priscila foi antecedida por uma breve participação de Miguel Aragón, representante da OPAS no Brasil. 
 
O diretor interamericano da DIAGUA e consultor internacional em água e saneamento, Juan Martín Koutoudjian, mediou a segunda parte do encontro, que teve a participação da diretora de Engenharia Sanitária, Social e Comunitária da Argentina, María Eva Koutsovitis, que falou sobre desigualdade territorial no acesso à água potável segura. Mário Baggio, da Water DB Soluções em Saneamento, palestrou sobre tecnologias, conhecimentos e inovações na área de gestão de perdas. O engenheiro da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), Reynaldo Young Ribeiro, apresentou sobre as  novas oportunidades e melhoria de negócios em engenharia sanitária. Por fim, o diretor da Associação Internacional da Água (IWA), Daniel Nolasco, falou sobre ferramentas para a implementação da economia circular nas estações de tratamentos de efluentes. 
 

O 34º ETAN está disponível no canal da ABES-SP no YouTube. Clique aqui para assistir.

Participe! Seja o primeiro a comentar

Dicas, comentários e sugestões

Seu e-mail não será publicado.